A edificação foi construída para ser a sede da Câmara Municipal de Campestre, após longos entraves em prol da emancipação da localidade. Inaugurado em 1914, o local conserva em sua fachada características originais de seu período construtivo. Devido à sua importância histórica, política e arquitetônica é que o bem foi inventariado como patrimônio cultural.

O Monumento de Nossa Senhora do Carmo foi erguido em devoção a Nossa Senhora do Carmo, padroeira de Campestre, mas também para conter os embates políticos locais. Os membros do “partido de cima” queriam uma Santa que olhasse por eles, já que o altar da Igreja Matriz estava direcionado para baixo. Assim, o monumento foi erguido em 1953 e sua localização foi mudada em 1992. Devido à sua importância histórica, estética e religiosa é que o bem foi inventariado como patrimônio cultural.

A Praça Delfim Moreira está profundamente ligada à história de Campestre e aos seus primeiros largos e construções. O território que hoje compreende a Praça Delfim Moreira abrigava o Largo do Rosário e o Largo da Cadeia, sendo a cadeia demolida por volta de 1910 e a Igreja em 1918. Devido à sua importância histórica, cultural e memorialística é que o bem foi inventariado como patrimônio cultural.